sexta-feira, 2 de março de 2012

Soberana do meu coração.


"Vejo esses olhos marejados a fitar os meus.
Um grito de desespero preso na garganta,
E eu aqui impotente diante de tua dor.
Apenas querendo captar as tuas lágrimas com meu amor.

Anseio por poder te envolver nos braços,
Fazer-te esquecer que dor e sofrimento são reais.
Transformar em faz-de-conta toda a tua angústia.
Dar-lhe apenas o lado doce de amar.

Mas meu amor nunca será aquilo que irá sanar essas feridas,
Pois se até o sol que é forte, mal transforma o mar em sal,
Como posso eu, que nada sou além de teu,
Transformar essas lágrimas em mel?

Se por pura vontade, pudesse te fazer feliz,
Teria agora neste lindo rosto o maior de todos os sorrisos.
Se por pura determinação, conseguisse te fazer esquecer,
Apenas de dias de verão e borboletas lembrarias.

Só eu sei o quanto quero curar estas assas,
Dar a ti, doce criatura, uma nova chance de voar.
Fazer meu coração sangrar no lugar do teu,
Se isto for preciso para de uma vez por todas fazer o pranto secar.

Diante de ti, sou apenas um bobo-da-corte,
Que a todo custo tenta distrair a sua rainha,
Mas se não olhares para mim,
Como posso ser eu o motivo da tua alegria?

Minha menina triste,
Eu estou de joelhos implorando para que me dê uma chance,
A chance de ser aquele que cuida de teu coração,
Aquele que nunca permitirá que ele se parta ou que sangre.

Pois se puder de algum modo te trazer para o reino que criei,
Apenas para que possas ser a rainha do meu coração,
Onde tua felicidade é a lei soberana,
Esteja certa que já o terei feito antes que derrames uma nova lágrima sequer.

A tua dor é minha, e meu amor é teu.
Se eu pudesse te libertar desta prisão de dor,
Seria a minha redenção diante de todos os meus pecados.
Mesmo que para isso tivesse de dar cabo ao meu próprio coração."