terça-feira, 6 de março de 2012

Bom dia, meu amor.

"Uma manhã de domingo se levanta sonolenta,
Os botões de flores do meu canteiro ainda molhados de orvalho.
Meus pés a tocar a grama também úmida, se arrastando lentamente.
O toque suave da brisa no meu corpo quase despido.
O sol maroto a despontar no céu violáceo.
A magia e a beleza do nascer do dia.

A sensação maravilhosa de despertar ao lado de quem ama.
Levantar com cuidado para não te despertar.
O prazer inocente de lhe preparar um café da manhã especial.
Um pão fresco recheado de afeto e dedicação.
Colher flores silvestres para enfeitar a mesa que preparei com carinho.
O aroma das madressilvas a se misturar com o vapor quente do café.

Quando te vejo chegar, sorrateiro e brincalhão,
Me vejo a iluminar em um sorriso franco e aberto.
Cantando um bom dia, feliz, ao ritmo da canção baixinha que coloquei na vitrola.
Te dou o beijo mais afetuoso que tenho.
Enquanto meus braços, já por vontade própria, te envolvem num terno abraço.
E me percebo sendo guiada por ti numa doce dança repleta de amor.

Enquanto observo teu sorriso tão belo e sua voz tão cheia de vida.
Sua mania incorrigível de me despentear ainda mais.
E seu jeito bobo de me segurar entre os braços.
E no toque aveludado de tuas mãos em minha cintura,
Vejo o mundo que fizemos para ser só nosso.

Enquanto admiro estes lindos olhos que me fitam tão acesos.
Percebo a beleza deste momento singelo que tenho contigo.
E no íntimo sei que é destas coisas pequenas que construímos os sorrisos que damos um ao outro.
E quando a lágrima de alegria corre meu rosto,
Sinto teus dedos a apará-la na queda e sua voz confusa a me questionar, se estou infeliz.
E tudo que ouso lhe dizer, é que se existe felicidade, certamente este momento é sua perfeita definição."